O jogo infinito da Transformação Digital e o perfil do CIO neste contexto

Quando você ouve o termo CIO pensa logo em tecnologia, certo? Não está longe da verdade, afinal, é com isso, com tecnologia e informação, que este profissional lida.

Mas é bem mais do que somente isso: o CIO lida com gente. Com transformação. Com gestão, com crise, com projetos, com resultados. E, diante disso, precisa entender como agir, quando e o que priorizar, como e porque tomar esta ou aquela posição.

Tudo dentro do contexto maior, que é o da organização e do ecossistema em que está inserido.

É sobre isso que trata o artigo que o CIO e diretor do Centro de Serviços Compartilhados das Empresas RandonCarlos Roberto Nascimento, escreveu para nossa News de hoje. Um conteúdo rico, digno de salvar para consultas atuais e futuras. Aproveite!

O jogo infinito da transformação digital e o perfil do CIO neste contexto

Uma mochila de vida é incrível quando está recheada de experiências que nos enchem de orgulho e também nos alimentam para novos desafios, de aprender e muito, nesse novo contexto de TI super ampliado pela Transformação Digital: Cloud Computing, Inteligência ArtificialRobotic Process Automation, Analytics e Machine Learning, dentre tantos outros.

Vamos pensar juntos: o que é central para conectar e transformar este novo mundo da TI no ecossistema de cada negócio?

Bem, cada pessoa tem seu ponto de virada. O meu foi a clareza no propósito que conversa muito com o que curto e me realiza, que é: impulsionar um novo jeito de integrar pessoas, processos e tecnologias para gerar resultados confiáveis, crescentes e sustentáveis.

Este drive tem o reforço coerente na renovação da minha bagagem: 40 anos de ciclos de experiências em TI, 30 desses anos em gestão de equipes. Quanta gente bacana, quanto crescimento que compartilhamos nesses ciclos! Ambientes corporativos complexos, intensos e desafiadores, como WHIRLPOOL, (Brastemp e Consul), WEGBUNGE e atualmente, por mais de 12 anos, como CIO das EMPRESAS RANDON, lapidam a cada dia o meu jeito de integrar pessoas, processos e tecnologias.

Atuei com ótimas equipes e pares, tive gestores excelentes, passei por inúmeras crises e participei de grandes projetos em todas as áreas de TI. Estou construindo um novo ciclo de experiências e, diante deste legado, relaciono abaixo algumas dicas para você colocar o termômetro na sua mochila, conectar com o seu self insight e firmar os seus direcionadores na gestão da sua experiência. Afinal, estamos com a potência da TI em nossas mãos. E como estamos sustentando ou depreciando essa oportunidade? Qual a sua aspiração com a Tecnologia da Informação? O que está na sua mochila?

Conheça bem a cultura e os negócios da empresa

Isto inclui estudar o seu ecossistema e pode parecer um pouco obvio, já que deveria ser a principal recomendação para um executivo, porém estamos falando de conhecer em um nível muito além da estratégia, valores, hábitos e crenças da organização. Conhecer seus produtos, processos, clientes, mercados, fornecedores e, principalmente, suas pessoas, é essencial para entender a dinâmica da organização, o que a empresa precisa e quer do CIO e como isso será avaliado. O CIO que tem uma visão geral do ecossistema do negócio sempre tenderá para a efetividade na atuação estratégica.

Criar um plano de integração, conversar com todos os níveis da organização, fazer uma análise do institucional, da estrutura, como esta conversa em organograma e em rede, como os processos são validados, assim como, o que se fala a respeito da Organização nas redes sociais. Considere a abrangência da sua integração.

Os 100 primeiros dias de um CIO na empresa são decisivos para obter uma visão da área, suas carências e seus pontos fortes. Seu estilo de comunicação e liderança irão ditar seu modelo de gestão. Tenha empenho para a visão amplificada, “visão de drone”, os detalhes ficam para mais adiante.

Pensar a estratégia

Ser multilíngue é extremamente importante para a carreira de CIO, mas a capacidade de traduzir os conceitos de tecnologia em princípios empresariais será chave na sua trajetória de sucesso na organização.

CIO deve colocar a tecnologia na estratégia do negócio, estar atento aos movimentos da organização e do mercado em que ela está inserida, ter clareza de qual caminho seguir e como direcionar a empresa na aplicação mais assertiva da tecnologia.

O Planejamento Estratégico de TI é a ferramenta para esta atividade, avaliando as condições internas e externas da organização, seu plano de expansão, aumento de vendas, internacionalização, dentre outros direcionadores, tendo o propósito de garantir que a organização alcance estes objetivos, através da tecnologia da Informação. Ele caminha ao lado do Planejamento Estratégico Corporativo, espelhando a Visão, Valores, Propósito, Missão da organização, potencializando o uso da Tecnologia da Informação.

Outro ponto importante é a Governança de TI, pois ela forma o consenso de normas e diretrizes para a utilização dos recursos de TI, funcionando como um mecanismo de proteção ao negócio, com o regulamento que direciona e monitora a utilização destes recursos. Na prática, a Gestão de Serviços, os Processos, Projetos e a Segurança da Informação são os pilares da Governança de TI, que é uma extensão da Governança Corporativa e é primordial para que o CIO minimize os riscos e tenha transparência na gestão da Tecnologia da Informação, garantindo assim total controle sob seus resultados e a credibilidade junto ao negócio.

Relacionamento e comunicação

Investir em relacionamentos saudáveis, desenvolver diálogos claros e objetivos, colocar-se no lugar do outro, ser colaborativo, colocar atenção na gestão de conflitos e no crescimento do desempenho são a base para influenciar positivamente as pessoas e construir relações de confiança.

É indispensável que o CIO tenha uma boa capacidade de comunicação, não restrita ao ambiente corporativo, no qual as reuniões e apresentações fazem parte do dia a dia. A habilidade em se comunicar de forma clara, objetiva e eficiente, favorece o engajamento da equipe e de clientes internos. Divulgar as informações com clareza e receber o retorno adequado, demonstra assertividade na comunicação.

CIO deve também posicionar-se no mapa do ecossistema e focar por onde deve estar atuante, atualizado e participante.

Liderança

O indivíduo que todos querem seguir – esta é uma definição de liderança que vale refletir, sempre considerando a soma da prática das outras dicas. Exercer liderança pelo exemplo, inspirar pela confiança e ter o ambiente de escuta ativa e sincera da equipe, proporciona ao CIO o mapa real do engajamento da sua estrutura aos desafios existentes.

O principal papel de um líder é tomar decisões. Isto é uma tarefa complexa, pois é possível mudar o rumo de um negócio através da tomada de uma decisão. O bom líder sabe tomar a melhor decisão e também sabe aprender com os erros.

Um ponto que também revelará muito da sua liderança é a capacidade de reter profissionais qualificados na sua estrutura, construindo, com a organização, as condições necessárias para que isto ocorra, independentemente do contexto de mercado.
CIO não pode esquecer de seu papel de evangelizador. 

Aprender sempre

Com a constante evolução da tecnologia, inovações são disponibilizadas mesmo antes de consumirmos uma novidade tecnológica anterior. O CIO deve acompanhar essas mudanças no ritmo em que elas acontecem, pois podem trazer ganhos para sua organização.

Participar de Congressos, Seminários, Grupos de CIOs, Grupos de Usuários, Entidades de Classe e em eventos relacionados ao setor de TI, auxiliam a conhecer as novidades da área, cases de sucesso, lançamentos de soluções e também para ampliar o networking e a prática de benchmarking.

A busca constante pelo aperfeiçoamento de suas competências é uma forma de diferenciar-se no mercado. As fontes de atualização são inesgotáveis, do online ao blended, eventos e jornadas individuais ou coletivas podem fazer parte do seu portifólio de desenvolvimento.

CIO tem que conhecer o mercado como um todo, para comprar bem para sua organização.

Equipes multidisciplinares

CIO deve ter a apropriação e transmissão da cultura da organização, ser capaz de cuidar não apenas da tecnologia, mas também das pessoas sob sua responsabilidade. Isso significa pensar na equipe, mantendo-a saudável e motivada, mediando conflitos, identificando e retendo profissionais qualificados e os talentos chave.

A base para se estruturar uma equipe é ter um mapa das competências necessárias para que a área ofereça o melhor resultado. Quando o CIO tem este mapa e ainda a leitura das habilidades dos profissionais da sua equipe, pode estabelecer quais capacidades já existem no grupo e quais devem ser adicionadas ou desenvolvidas.

O feedback é uma ferramenta importante para a melhoria contínua da equipe e deve ser disseminada na área de TI.

Equipes diversificadas superam as homogêneas, cada vez mais o CIO deve liderar iniciativas de integração da diversidade, desenvolvendo uma equipe multicultural.  

Falamos muito de TRANSFORMAÇÃO DIGITAL, precisamos também focar fortemente em TRANSFORMAÇÃO DE GENTE

Capacidade de gerenciar crises

A capacidade de lidar com problemas operacionais, escassez de recursos, orçamentos sob pressão, mudanças de ambiente, dentre outros, exigem uma adaptação rápida e passam a ter relevância no desempenho do CIO.

Uma coisa que sempre existirá no ambiente de TI são as crises – disponibilidade do ambiente, proteção contra instabilidades de internet, ameaças (vírus ou hackers) e problemas no ERP, devem ter um plano estruturado de resposta, para que as decisões sejam tomadas rapidamente, visando limitar os danos a Organização, seus stakeholders e o público, como um todo.

Orientar a equipe no protocolo básico, fortalecer o comprometimento dela com a agilidade e a segurança, exigem inteligência emocional, incluindo forte exercício de escuta ativa e empatia.

Foco no resultado

Uma das competências mais relevantes para o CIO na atualidade é o foco no resultado, direcionando toda a sua energia para alcançar determinados objetivos.

Gestões focadas em resultados são mais organizadas e tendem a elencar as prioridades de maneira a direcionar os esforços para concretizar as metas e objetivos estabelecidos.

Uma boa comunicação e uma equipe engajada são requisitos para que o resultado seja alcançado. Um líder com foco em resultado define, de forma clara e transparente, as metas desafiadoras juntamente com os times. Quando metas ambiciosas são definidas de forma conjunta, o engajamento aumenta e o resultado acontece.

Embaixador da Transformação Digital

A transformação digital permite que as organizações, através da tecnologia, solucionem seus problemas, melhorando assim seu desempenho. Trata-se da absorção de uma cultura digital para obter maior desempenho.

Quem lidera essas mudanças deve ter um pensamento diferenciado, à frente do seu tempo, incentivando a inovação e novos modelos de negócios. Além disso, deve ter bom senso para incorporar novos métodos tecnológicos que favorecem a experiência dos colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e demais partes interessadas da sua Organização.

CIO, quando líder da Transformação Digital nas organizações, deve engajar as pessoas para identificar quais processos podem ser transformados e implementados, preparar a empresa para a mudança e identificar a melhor forma de desenvolver este trabalho.

Indicadores de desempenho e de impacto no negócio
Quando falamos que o CIO deve ter foco no resultado, a melhor forma de acompanhar as entregas é através de indicadores de desempenho. Utilizando métricas é possível avaliar se a área de TI está gerando para a organização o resultado esperado.

As solicitações feitas pelos usuários, que utilizam algum produto ou serviço oferecido por TI, podem ser controlados através da abertura de chamados. Desde a contratação de um software até problemas com equipamentos de TI, podem ser registrados e acompanhados. Quanto menor for o tempo gasto para solucionar um chamado, maior é o resultado da área de TI. Tem relevância também o indicador de entrega de projetos: prazo, custo e qualidade.
Lembre-se: “O que não é medido, não pode ser gerenciado”. A frase é de William Edwards Deming (estatístico, consultor, conferencista e professor norte-americano).

Terceirização

CIO deve formar uma equipe de TI com profissionais eficientes e capacitados, porém a dificuldade em contratar esses profissionais torna o outsourcing uma ótima alternativa.

As empresas especialistas em Outsourcing de TI possuem profissionais capacitados para diversas atividades, especialmente aquelas reconhecidamente operacionais e que tomam muito tempo, com a vantagem de otimizar os recursos existentes e reduzir os custos de TI, mantendo o foco da equipe interna em projetos estratégicos.

Os serviços de outsourcing de TI são contratados por meio de um Acordo de Nível de Serviço (SLA), portanto a empresa contratada busca garantir o cumprimento dos requisitos estabelecidos por quem a contratou, ou seja, o cliente irá receber exatamente aquilo que foi contratado, sendo mais difícil esse tipo de controle quando a operação é interna.

As atividades terceirizadas permitem que a equipe interna se concentre no que é mais importante, naquilo que vai agregar maior valor ao negócio.

CIO tem que ter em mente que terceirizar não significa mudar para um parceiro de negócio a responsabilidade pelos resultados. Ele continuará sempre respondendo pelos resultados, perante a organização.    

Você sabia que a Transformação Digital foi diretamente impulsionada pela pandemia da Covid-19? Segundo um estudo do CESAR, 23,7% das empresas brasileiras colocaram movimentos desta transformação em suas prioridades máximas em 2020, um aumento de 7,3 pontos percentuais sobre 2019.

Já o Índice de Transformação Digital da Dell Technologies 2020 mostra que 87,5% das empresas instaladas no Brasil já fizeram algo nesta linha, ou estão inclinadas a fazer ainda em 2021. A taxa fica acima da média mundial, que é de 80%.

Os oceanos do planeta são arrastados por cinco grandes correntes, resultantes dos ventos e da rotação da Terra. Junto com elas, o lixo lançado nas praias e até mesmo em rios acaba indo pelos mares, formando ilhas nada agradáveis.

E não é só o plástico em si que é o vilão: a chamada neblina de plástico, formada pelos microplásticos que se originam a partir da quebra do material original, também gera poluição nos oceanos.

documentário Plastic Oceans, disponível na Netflix, traz tudo isso em detalhes estarrecedores, mostrando como os impactos se dão na vida marinha e também na humana, já que a reação em cadeia gerada pela poluição afeta a todos.

Informação e alerta em um conteúdo tão chocante, quanto sensível. Não perca.

Todo mundo já ouviu que a água de coco é um ótimo hidratante para o organismo. Mas é muito mais do que isso: rica em potássio e cálcio, é auxiliar no tratamento de infecções intestinais e no controle da pressão alta.

Além disso, tem antioxidantes que reforçam o sistema imunológico e ajudam a evitar doenças como infarto e alguns tipos de câncer.

E se por acaso você der aquela exagerada no álcool, é bom saber que a água de coco também é um excelente antídoto contra a ressaca, pois contém açúcar que contribui para combater sintomas como náuseas e mal estar.

Só não exagere: segundo nutricionistas, a ingestão de água de coco não deve ultrapassar 3 copos por dia. Mais do que isso pode trazer alterações aos batimentos cardíacos e, em diabéticos, elevar o nível de açúcar e potássio.

Eles nos sustentam, garantem nossa movimentação e aguentam todo nosso peso. Estamos falando dos pés, essas estruturas fundamentais que nem sempre recebem a atenção devida.

Para cuidar deles, alguns exercícios muito fáceis podem ser feitos aí mesmo, na sua mesa de trabalho. Vamos ver alguns deles.

Comece flexionando os dedos dos pés para trás o quanto conseguir. Conte até 10 e troque de pé. Repita 3 vezes.

Depois, estique uma folha de papel abaixo dos pés e se esforce para pegá-la com os dedos e puxá-la para trás. Faça 3 vezes com cada pé.

Por fim, pouse o pé sobre uma bola (pode ser de tênis, stress ball ou até mesmo uma de papel, desde que de boa densidade) e faça movimentos para frente e para trás. Repita de 4 a 5 vezes com cada pé e sinta o relaxamento!

A Qualitor convida profissionais com o perfil de atender bem para fazer parte do nosso time!
Temos duas vagas em aberto para Programador Backend e Frontend, ambas para home office. Veja os requisitos:

Desenvolvedor Backend Pleno
Conhecimento necessário:
Javascript server-side (NodeJS)
Bancos de dados SQL e NoSQL (MySQL, MongoDB)
Desenvolvimento e manutenção de APIs RESTful/RPC
Diferenciais:
Typescript (NestJS)
Microsserviços
RabbitMQ
JestJS
Docker
Kubernetes

Desenvolvedor Frontend Júnior
Conhecimento necessário:
HTML
CSS
Javascript
VueJS
Consumo de APIs RESTful
Noções de design/UX
Diferenciais
Vue3
Vite
Tailwind
Typescript
JestJS

Interessou? Mande seu CV para: recrutamento@qualitor.com.br

 

Share This
×