Manter home office ou voltar ao presencial… Como estão as opiniões por aí?

Em um momento de tantas mudanças no cenário de trabalho, com modelos como o remoto e o híbrido difundidos pelas exigências da pandemia, além de um período pós-pandêmico em que as relações e formatos de atuação se modernizaram em função de resultados obtidos e novos hábitos adquiridos, surgiram novidades e, por que não, incertezas no horizonte da gestão de pessoas.
 
Hoje, poucos dias após o Dia do Profissional de RH (03/06), trazemos uma reflexão sobre esse tema que, por lidar com o principal ativo de todas as empresas, é fundamental para as estratégias e objetivos, tanto das organizações, quanto das pessoas que as formam.
 
Aqui na Qualitor, a Gestão de Pessoas é baseada nos nossos valores internos, que, entre outras coisas, priorizam um bom clima, o trabalho em equipe, a flexibilidade e a empatia, sempre reforçando a relação interpessoal, o que nos levou a construir não espaços de distanciamento, mas pontes quando adotamos o home office.
 
“Foi um momento não de distanciar, e sim de expandir o espaço de trabalho até onde o colaborador estivesse seguro durante o período pandêmico. E ao longo de todo o processo de home office, fornecemos a estrutura necessária para o trabalho e demos total apoio emocional, mantendo forte a intenção de estarmos juntos, de valorizar e reter nossos talentos, e de ter todos em sintonia com a qualidade de vida”, explica nossa gestora de RHPatrícia Corso.
 
Tanto que, entre os nossos, a maioria se deu tão bem com o trabalho remoto ou híbrido que nem pensa em retomar o formato 100% presencial.
 
Mas nem todo mundo pensa assim: nesta semana, uma declaração de Elon Musk, o bilionário fundador da Tesla e outros projetos de viés inovador, deu o que falar. Segundo ele, trabalhar em home office é “fingir que trabalha”.
 
A brasileira Startse fez uma pesquisa via LinkedIn e detectou que, se as empresas determinassem um ultimato entre voltar ao escritório ou deixar o cargo, a maioria das pessoas (44%) aceitariam o retorno, mas atualizariam seu perfil na principal rede de contatos profissionais do mercado.
 
Já para outros 21% o jeito seria voltar, no mais famoso estilo “é a vida”, enquanto uma amostra de 18% acharia ótimo a retomada do presencial e os 17% restantes não voltariam de jeito nenhum, preferindo pedir demissão.
 
“Na Qualitor, sempre tivemos por hábito manter aberto um canal de comunicação, escuta e abertura com as nossas pessoas, pois acreditamos que qualquer ação deve estar diretamente relacionada com o desejo e satisfação de cada colaborador. Por isso, há alguns anos tomamos por prática utilizar dados que pudessem nos traduzir esse desejo, e desse modo começamos a trabalhar com pesquisas internas”, conta Patrícia. “Essa jornada de traduzir dados gerou ações, alinhamentos com as lideranças para valorização contínua e alinhamento dos desejos e competências de nossos colaboradores, o que fez com que, em 2022, chegássemos a um resultado positivo de 88,6% em nossa Pesquisa de Satisfação”, complementa.
 
Dentro disso, para ela a pesquisa da Startse é um recorte do mundo atual, que na Qualitor teria muito mais adeptos da permanência no home office, já que os levantamentos realizados com a equipe ao longo do trabalho remoto mostram colegas muito satisfeitos com este formato, por motivos diversos, como a disponibilidade de recursos e estrutura pela empresa, o suporte emocional da GP, e o ganho na qualidade de vida, já que agora conciliar vida pessoal, familiar e profissional ficou mais fácil.
 
Sem tocar em um ponto fundamental: nossos colaboradores destacam que um dos principais benefícios do home office é não precisar se deslocar, perdendo tempo no trânsito, e a própria Startse reforça isso, indicando em um dado publicado ainda em 2020 que, em média, brasileiros residentes em capitais perdem 1h30 por dia no trânsito, normalmente em função do trabalho.
 
Um tempo que nossos colegas da Qualitor preferem investir em saúde, cuidando do corpo e mente, em estudos, melhorando o tempo dedicado a formações, à família, ao lazer e ao que mais desejarem.
 
“Das pesquisas que fizemos, além de detectar 100% de satisfação com o home office, também angariamos muitas outras respostas que geraram ações. Exemplo disso é o mapeamento de novas competências e o reforço junto às lideranças para o desenvolvimento de um trabalho vinculado a Quem Somos, o investimento em capacitação de líderes e a promoção de diversos cursos/treinamentos em nossa Plataforma Qualitor Academy, que fornece capacitações online tanto para o time, quanto para clientes”, acrescenta Patrícia.

Na Qualitor, o trabalho remoto está muito bem, obrigado. E aí na sua empresa, como está essa questão? Use nossas redes sociais para comentar e vamos ampliar o debate sobre esse tema tão importante!

Vote na enquete!

Um dos estudos mais recentes sobre a tendência do home office foi divulgado há cerca de 60 dias pela Microsoft. Segundo a pesquisa, 58% dos brasileiros preferem manter o formato remoto, ou no máximo híbrido, em 2022. Desta amostra, 71% alegam saúde e qualidade de vida como principais motivos.
 
Já globalmente, das 31 mil pessoas em 31 países para o levantamento, 57% preferem o modelo híbrido e 51% dos que já atuam de forma híbrida desejam mudar para home office.

Ficar muitas horas em frente ao computador, ou em uma atividade repetitiva, cansa corpo e mente, podendo causar problemas como dores de cabeça, no corpo, stress e síndromes, como a de burnout.
 
Para evitar isso, é indicado incluir pausas ativas no trabalho – aquelas que você programa e faz conscientemente, muito além de um café frugal. Inclua nisso uma caminhada curta, ao redor do quarteirão, ou, se seu dia a dia permitir, uma sessão rápida de yoga ou alongamento – tem opções rapidíssimas e gratuitas no Youtube!
 
Com isso, você diminui a carga mental, aumenta seu poder de concentração, previne Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e ajuda o corpo a liberar áreas com acúmulo de tensão.

O frio se espalha e com ele a onda de atchins e cof cofs também. Para evitar as doenças de inverno, aqui vão algumas dicas.
 
Mantenha-se hidratado, bebendo líquidos e usando umidificadores ou bacias de água nos cômodos da casa ou trabalho.
Evite ficar em ambientes fechados, especialmente com muita gente, e se agasalhe bem, protegendo garganta e ouvidos, ao sair.
 
Coma bem, não deixando de lado frutas, legumes e verduras, que costumam ficar em segundo plano diante dos cremes e massas calóricos do inverno. Lembre-se que vitaminas, minerais e antioxidantes são imprescindíveis para fortalecer o sistema imunológico.
 
E, é claro, mantenha sua carteira de vacinação em dia, dando atenção especial a H1N1 e Covid.

A arte de ser infeliz: Desarmando armadilhas emocionais
 
O título pode até assustar, mas não se engane: esta é uma obra que vai te ajudar a melhorar na lida com suas emoções.
 
Focado nas possíveis “armadilhas emocionais” que a mente humana pode criar, a obra traz dicas para escapar delas e evitar sofrimentos e conflitos.
 
Um livro para alcançar mais intimidade com a própria vida emocional e tornar o cotidiano mais saudável e prazeroso.

Share This
×