Equipes trabalhando pouco, muito ou satisfatoriamente? Descubra aqui

Conhecer a capacidade de trabalho de suas equipes, bem como se estão trabalhando acima ou abaixo deste limite, é importante para estabelecer e distribuir tarefas, chegando à produtividade esperada.

Isto passa pela análise de carga de trabalho, recurso que o Qualitor 8.20 entrega de forma prática e ágil ao seu negócio. Com esta funcionalidade, é possível analisar por meio de parâmetros como dias trabalhados por período, expediente diário, número de atendentes por equipe, número de atendimentos realizados, número de afastamentos por período, entre outros.

Com isso, você pode fazer uma simulação da análise de carga, obtendo comparativos como os de capacidade de trabalho/trabalho realizado, horas estimadas/horas trabalhadas.

É mais poder analítico para ampliar as possibilidades de decisão, ação e gestão de equipes, melhorando a produtividade, o aproveitamento das capacidades, a distribuição de tarefas, a qualidade do atendimento e, por conseguinte, a satisfação de colaboradores e clientes.

O Qualitor 8.20 te entrega o que há de mais avançado em gestão para que seu negócio chegue à frente no quesito atendimento e relacionamento. Inovamos para estarmos sempre um passo adiante na evolução da interação empresa/público, e para que você alcance, com isso, resultados cada vez mais positivos.

Quer obter estes benefícios e alcançar você também mais produtividade? Vem ser Qualitor.

Mulheres e líderes. Esta é a temática deste livro, escrito por Sheryl Sandberg, eleita uma das dez mulheres mais poderosas do mundo pela revista Forbes.

Na obra, ela investiga os porquês de algumas mulheres terem seu crescimento profissional estagnado e aponta soluções para que os obstáculos sejam vencidos e o sucesso, alcançado.

A autora traz apontamentos como: dos 195 países independentes no mundo, só 17 são governados por mulheres. Nas empresas, também é baixo o número de lideranças femininas, se comparado ao de homens em cargos equivalentes. E, ainda assim, em muitas posições iguais, elas ganham menos do que eles.

Por quê? Onde estão as raízes disso? Como mudar? É isto que Sheryl Sandberg aponta neste livro, uma leitura reflexiva e obrigatória para os novos tempos. 

Aquela sensação de peso no estômago, dor, azia, estufamento. Já sentiu? É muito ruim, e tem tudo a ver com má digestão.

A má notícia é que ela pode ser causada por muitos alimentos e bebidas, principalmente frituras, gordura, embutidos, feijão, refrigerantes e drinks alcoólicos, entre outros. A boa notícia é que dá, sim, para evitar. Quer saber como?

Comece por evitar o que irritar seu trato digestivo. Só você poderá prestar atenção à mesa e perceber o que não cai bem. Em segundo lugar, não exagere na bebida enquanto come. Muito líquido em meio às refeições pode gerar o estufamento. A dica é ingerir, no máximo, 200 ml de líquido não gasoso enquanto come.

Outra boa indicação é comer devagar. Mastigue bem e deixe a saliva facilitar a quebra para que os alimentos não deem muito trabalho ao estômago para serem digeridos.

Reduza o estresse e a ansiedade, pois eles geram um desequilíbrio das funções do cérebro que pode interferir em reações do organismo, o que inclui a indigestão.

Após a refeição, tome um chá de camomila, funcho, macela, alecrim, erva doce ou boldo. São digestivos e dão a sensação de saciedade, ajudando a dissolver as gorduras da comida e auxiliando na diminuição da formação de gases intestinais.

Por fim, não faça exercícios logo após comer, nem vá para o outro extremo, como deitar ou dormir. Após comer, o metabolismo do corpo precisa trabalhar para digerir, então pegar no sono vai exatamente na direção contrária, reduzindo o ritmo e podendo render um indigesto mal-estar.

Carne de gado, de frango, de porco, de peixe… Seja qual for sua escolha, é importante conhecer os benefícios de cada uma. E são vários!

Peixes e aves, por exemplo, são considerados as melhores proteínas animais a serem consumidas. Os animais de água doce e salgada trazem ácidos graxos e ômega-3, que protegem contra doenças cardiovasculares, além de serem ricos em vitamina D, selênio e proteína. Já frango, peru e outras aves são boas fontes proteicas, têm baixas calorias e muito pouca gordura saturada.

Em relação à carne vermelha, nada de hambúrguer ou bifão frito: o que este alimento tem de saudável em quantidade de ferro, proteína, vitamina B12 e zinco, o preparo carregado de óleo pode pôr abaixo. Por isso, evite as frituras, prefira a carne grelhada, assada ou cozida.

E o suíno? Ao contrário do que muitos pensam, esta é uma carne mais magra do que a do boi, dependendo do corte. É claro que bacon ou linguiça são extremamente calóricos, mas um lombo ou picanha do porco são pratos muito recomendados para quem quer dar uma segurada na dieta. Se preparados longe da fritura, é claro.

Pronto! Agora é só escolher e preparar o cardápio do fim de semana!

Share This
×